Facilite sua navegação

Blog

Crise e futuro

Crise e futuro

Publicado, Janguiê Diniz Sexta, 24 de Abril de 2015

O Relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI) sugere que as perspectivas para os próximos anos da economia brasileira são sombrias. De acordo com o relatório, a inflação, neste ano, sairá da meta e a previsão é de que ela alcance 7,8%. Em 2016, a expectativa é de um recuo da taxa para 5,9%. A contração da economia tende a ser de 1% em 2015, voltando a crescer 1%, em 2016, segundo o FMI.

Por outro lado, as perspectivas para a crise política não são tão pessimistas. Se no início do segundo mandato do governo Dilma Rousseff, o presidencialismo de coalizão funcionava conturbadamente, é possível que ocorra processo de arrefecimento entre o Congresso Nacional e o Poder Executivo.

Política, economia e opinião pública estão relacionadas simetricamente. O crescimento econômico motiva o aumento da satisfação dos eleitores para com o governo. Quando sufragistas apoiam majoritariamente o governo, o presidencialismo de coalização funciona sem fortes turbulências. Estes mecanismos foram observados em 2011 e 2012, anos iniciais do primeiro mandato do governo Dilma Rousseff.

Neste momento, não há crescimento econômico e, por consequência, os eleitores, majoritariamente, reprovam a gestão de Dilma Rousseff, colocando o regime governamental sobre fortes turbulências. O futuro aparenta ser difícil. Porém, a expectativa é que 2015 sirva para realizar ajustes.

O envolvimento do vice-presidente da República Michel Temer na articulação política é o primeiro passo para a construção de um futuro promissor. Temer, junto com outros ministros e a disposição da presidente da República pode apaziguar a relação com o Congresso Nacional. Com isto, o ajuste fiscal proposto por Joaquim Levy tem condições de ser aprovado.

A aprovação desse ajuste fiscal e o esforço do governo para resgatar a confiança do setor produtivo e da sociedade brasileira farão com que existam esperanças para o futuro próximo. O ajuste fiscal, como bem ressaltam diversos economistas, construirá condições para o retorno do crescimento econômico e o controle da inflação. Caso isto ocorra, surgirão condições mais adequadas para o retorno dos avanços socioeconômico.

O cotidiano da política serve para explicar as crises. Em momentos assim, a opção pela tragédia não é escolha coerente para um país que insiste em avançar desde a época do Império. A melhor opção ainda é o diálogo, o exercício responsável da oposição e o reconhecimento de que, na próxima eleição presidencial, todos os partidos políticos terão oportunidades de oferecer novas opções de agenda ao Brasil.

Tecnologia e o futuro das empresas
Publicado, Janguiê Diniz Segunda, 12 de Julho de 2021
Medo, inimigo do sucesso
Publicado, Janguiê Diniz Terça, 06 de Julho de 2021
Siga meu instagram
Fale no WhatsApp